Posts tagged ‘ON THE ROAD’

21 de Fevereiro de 2013

KRISTEN ESTÁ ENTRE AS 12 ESTRELAS DE CREPÚSCULO QUE ESTABELECERAM NOTORIEDADE FORA DA SAGA

por Maria Mel

O site americano Examiner.com, fez uma lista em que consta os doze atores da franquia de vampiros Crepúsculo, que estabeleceram notoriedade atuando nos filmes fora da saga, e podemos ver Kristen na lista.

Kristen Stewart começou mais uma grande oportunidade de franquia com Branca de Neve e o Caçador, e parece que a trilogia lançara o segundo filme em breve.

Stewart também retratou um personagem de grande apoio, na muito esperada adaptação de Jack Kerouac, Na Estrada – On The Road.

Fonte via: kstewartbr

21 de Fevereiro de 2013

SWATH, ON THE ROAD, AMANHECER 2 E COSMOPOLIS NOS 100 MAIS VOTADOS DO SITE AT THE MOVIES

por Maria Mel
O site   At the Movies criou uma lista dos 100 melhores filmes votadoS pelos visitantes do site. SWATH Cosmopolis, On The Road e Amanhecer Parte 2 na lista (:
COMPILAÇÃO E ADAPTAÇÃO: KrisbianSite VIA: lasagarobsten
18 de Dezembro de 2012

TRADUÇÃO DA ENTREVISTA DE KRISTEN COM SALON

por Maria Mel

Eu conheci Kristen Stewart um pouco inesperadamente. E eu realmente gostei dela! Eu quero dizer, ela é uma pessoa, cautelosa cautelosa, pode sentir a sua reserva enquanto ela decide se é um idiota ou um maluco e discerne o quanto ela deve ficar educada, observando neutra. Poderíamos ser assim, também, se tivessemos 22 anos e fossemos a atriz mais bem paga da história de Hollywood, e se você tivesse visto uma briga interna  com o nosso namorado – o tipo de coisa que muita gente de 22 anos de de idade passa, se bem me lembro – sem se tornar uma história de tablóide internacional de primeira página.

Eu não lhe perguntei nada sobre Robert Pattinson ou o estado atual de sua vida amorosa. Porque não é o meu assunto, e eu realmente não me importo! Então, se é isso que  quer ler, pode ter que procurar em outro lugar. Mas, mesmo numa conversa breve e necessariamente superficial, eu tenho alguns flashes da sua personalidade real: Stewart é uma jovem mulher com um humor malicioso e uma propensão para murmúrios  e apartes desbocados, que está entusiasmada com o seu trabalho e também consciente da sua ascensão rápida dos ingénuos indies, o pouco conhecido  “Into the Wild” e “Adventureland” para uma estrela enorme, tem sido uma história incrivelmente estranha.

No início desta semana, a virgem que virou vampira da recém-concluída série “Crepúsculo” estava em Nova York para a estreia de um tipo muito diferente de filme: a adaptação de do longa de Jack Kerouac “On the Road”, do diretor brasileiro Walter Salles (de “Diários de Motocicleta”). Um projeto de paixão que Salles tem vindo a trabalhar há cinco anos – e que ele herdou de Francis Ford Coppola, que já esperava para fazer o filme com Brad Pitt e Ethan Hawke nos papéis principais – este “On the Road” é ​​decididamente um misto, visualmente encantador e cheio de música e atmosfera, mas só às vezes a captura a sincopada,  efervescência da prosa de Kerouac.

Stewart tem trabalhado muito para promover o filme desde a sua estreia em Cannes, em maio, o que é notável, considerando que ela desempenha um papel de apoio e que parece improvável que  “On the Road” va atrair muito de um público mainstream. (Suas cenas foram filmados mais de dois anos atrás, pouco antes de ela filmar o próximo ao último filme “Twilight”). A sua personagem, conhecida como Marylou no livro e filme, é baseado numa pessoa real chamada Luanne Henderson, que foi o parceira  do carismático Kerouac, e do bissexual amigo Neal Cassady, que se tornou Dean Moriarty em “On the Road”. (Dean é interpretado por Garrett Hedlund no desempenho deste filme).

Uma das virtudes da pós-Stewart, “Crepúsculo”,é a  posição que ela reflete na nossa conversa, é que ela começa a fazer o que lhe agrada muito bem num negócio e uma época em que a maioria dos atores que trabalham têm opções limitadas. Ela pode ou não voltar ao papel de Branca de Neve numa continuação da fantasia escura “Branca de Neve e o Caçador”, e embora ela fosse escolhida o ao lado de Ben Affleck numa comédia maluca de “Crazy, Stupid, Love” dos criadores Glenn Ficarra e John Requa, o filme ainda não começou a produção. Enquanto isso, os seus agentes sugeriram (com aviso de cerca de 12 horas) que ela poderia estar disposta a conversar por alguns minutos no seu hotel de Nova York antes da estreia de “On the Road”.

Embora ela fosse fotografada mais tarde naquela noite num vestido rendado de um designer, transparente e pernalta e sapatos alarmantes, quando conheci Stewart ela estava vestida mais anonimamente, quase maria – rapaz, numa camisa de riscas,casaco bege e e calças slim.

Tem sido incrivelmente leal a este filme, mesmo por um período em que está a receber toneladas de imprensa por outras razões estúpidas.

É difícil, porque estamos trabalhando nisto desde que fomos a Cannes [maio]. Quando se promove algo como  isto, que se acredita, quer ser honesto e aberto e compreensivo, mas quando se responde a mesma pergunta …

Como, 35 vezes.

A mesma, exatamente. E dar as mesmas respostas, o que não significa que  é falso ou ensaiado. Pode ser algo que  já pensou e, assim, totalmente acredita.

Sabe, eu acho que, quando eu entrevistei alguém e então eu li alguma outra entrevista numa publicação diferente, onde eles dizem exatamente as mesmas coisas, palavra por palavra. E ainda assim eu acreditava que na época  era uma conversa totalmente sincera. E talvez fosse!

Provavelmente era. Eu vou fazer a mesma coisa agora! [Risos.] E não é de propósito. Não é como se se senta-se e lembrasse dessas coisas. Se perguntar a alguém a mesma pergunta várias vezes, a resposta provavelmente vai ser semelhante.

Além disso, sou atriz. Posso entregar algo mais e mais e novamente e acreditar. Essa é uma das minhas habilidades.

Yeah! Sim, eu acho que é verdade.

Sabe, entre alguns dos meus amigos que viram o filme-, nós estabelecemos uma convenção onde sempre se referem a si como “a menina de ‘Adventureland’.”

Ah! Isso é muito engraçado. Isso é bom! Eu amo isso.

E, sabe, não é inteiramente uma piada. Porque eu sei que muitas pessoas que a adoraram no filme e que muito provavelmente nunca viram aqueles outros filmes um pouco mais populares que você fez. [Risos.]

Sim, eu entendo isso.

Eu acho que a sua carreira como algo fora da física quântica, onde  não se pode prever uma trajetória precisa de uma partícula, apenas baseada na probabilidade. Houve uma trajetória provável para si que é muito mais plausível do que o que realmente aconteceu. Definitivamente leva-a de “Adventureland” para “On the Road”, ee inclui “Welcome to the Rileys” e “The Runaways” e alguns outros pequenos filmes independentes do quadril, que na verdade nunca aconteceram. Não inclui a coisa descontroladamente improvável que aconteceu, onde fez um filme de vampiros um pouco estranho para os adolescentes e se tornou a maior estrela de cinema do universo. Já pensou sobre isso?

Sim. É engraçado. Eu acho que quando eu penso sobre isso é quando me perguntam se eu estou chateada sobre ser estereotipada, se eu sinto que as pessoas me prenderam a uma ideia  Eu definitivamente tenho um problema enorme com o que aconteceu, se  me impediu de fazer o que estou a fazer – a coisas que realmente me desafiaram. Que inclui “Crepúsculo”, a propósito.

Eu realmente nunca fui capaz de me projetar – ver, quando as pessoas me perguntam: “Onde se vê? Que tipo de atriz quer ser? Que tipo de filme uer fazer? “Eu não posso responder a essas perguntas. Eu não tenho sido capaz de sair e pensar sobre o que eu quero que  se pareça. Há  a sensação de direito, e apenas se faz uma espécie de marcha para a frente.

Parte da lenda de  “Crepúsculo” é que quando você e Rob e os outros atores que foram lançados assinaram o primeiro filme, Catherine Hardwicke estava a dirigir e você não tinha idéia do que estava a meter-se e quão grande seria. É assim?

Ah, sim. Mesmo já dentro dela, enquanto estava a acontecer – esperar que algo como que se passou  teria sido uma loucura. Nós não tínhamos ideia  Tanto quanto se sabia, era um one-off. Catherine Hardwicke fez filmes menores. Não tínhamos ideia de ir fazer sequer  uma sequência.

Antes de eu deixar  “Adventureland” – e eu ficaria feliz em gastar os nossos 15 minutos falando sobre isso – eu quero mencionar que mesmo não sendo um sucesso e foi talvez mal comercializado, eu acho que [o escritor e diretor] Greg Mottola deve receber créditos como um observador de talentos. Você está no filme, Jesse Eisenberg estrá neste filme e Ryan Reynolds está neste filme, e nenhum de vocês era  bem conhecido na época.

Isso é verdade. E olhe “Superbad”! Que teve Michael Cera, uma espécie de, pela primeira vez. Eu sei que ele fez “Arrested Development” e outras coisas. Mas no filme, foi a primeira vez que alguém foi como, “Oh, lá vai! Não esse tipo! ” Jonah Hill, Emma Stone. É uma loucura, você está totalmente certo.

Fiquei surpreso de perceber, ao ver que “Adventureland” saiu menos de quatro anos atrás. Mas muitas coisas que aconteceram consigo desde então! Será que  parece muito tempo atrás?

Na verdade, sim. Eu fiz isso logo antes de “Crepúsculo”, então eu tinha 17 anos. Foi na mesma época que conheci Walter Salles, que já estava tentando fazer este filme [“On the Road”].

Saber o que sabe agora sobre o que aconteceria depois que teve esse papel com Catherine Hardwicke …

Hum-hum.

Quero dizer, a sério, eu não posso imaginar o que deve ser como ter 22 anos e praticamente perdero grau de privacidade e anonimato que 99,9 por cento de nós para concedido.

Oh homem, – como, muitíssimo!

Então faria tudo de novo se pudesse?

Sim. Definitivamente. Quer dizer, num número de níveis. Eu não trocaria o processo de fazer filmes. Normalmente eu tenho cinco semanas, ou cinco meses, para ficar louca ou obsessiva sobre um personagem. Se tivesse sido descrito o peso dela para mim inicialmente, eu teria duvidado poder sustentar o tipo de energia que leva para fazer um filme. Até ao final de um filme, muitos atores vão para casa e ficam doentes, há um período de recuperação enorme. É como,  gastar toda a sua energia. Para encontrar um projeto que me permitiu ter o mesmo sentimento durante cinco anos – Eu nunca faria isso, eu não posso negociar isso. É meu! Obviamente as suas experiências fazem o que se é, e isso é uma grande parte de mim. Eu não posso imaginar não tê-la.

E, ao mesmo tempo, eu amo os filmes, e eu adoro ter uma posição forte neste negócio. Eu definitivamente não negar a liberdade que  me deu, como atriz para fazer o que eu quero. Para escolher as coisas que são realmente estranhas ou coisas que são muito boas e comerciais. Sabe o que eu quero dizer? Atores normalmente fazem o que podem, e é ótimo para não ter de ser assim.

Mantem a esperança, agora que a série “Crepúsculo” acabou, que a quantidade de atenção da mídia ridícula que  já tem, por vezes, vá normalizar?

Sim. E, quero dizer, mesmo nos momentos mais ridículos, eu  sinto-me muito normal. É difícil dizer a preto-e-branco termos, mas em algum nível, eu acho que tenho uma perspectiva única. Eu olho através de uma lente muito estranha o mundo por causa de tudo isso. Mas não é menos interessante. Eu não estou privada de qualquer pedaço de vida, sabe? Seria realmente estúpido negar quão interessante é olhar para o mundo desta maneira.

Você está a tirar notas? Vai escrever um livro ou algo assim? Eu não sei se esse é o seu instrumento.

Sim, eu não sei. Eu amo escrever, mas eu não sei se eu sou a melhor contador de histórias. [Voz muito baixa.] Basicamente, as pessoas são loucas.

Lembro-me de vê-la um par de vezes, em todas as salas, em festas no Festival de Sundance, quando estava lá com “The Runaways”, e parecia que estava fazendo um trabalho muito bom de ter uma experiência normal – apesar do fato de que havia 80 fotógrafos do lado de fora esperando por si para sair.

Sim. E no Festival de Sundance é realmente desconcertante. É como, “Vamos lá! Deixem-me ter isso “Isso realmente faz sentido em mim – situações como essa, em que é inadequado. Isso é o que realmente me irrita.

Bem,  foi a pessoa que no ano que estava trazendo o poder de estrela. Porque no Festival de Sundance, pode simplesmente correr para as pessoas na rua aleatoriamente. Uma vez eu caminhava ao lado de David Bowie, e ninguém estava nem prestando atenção a ele.

Certo, é verdade. E o problema no Festival de Sundance, para mim, naquele momento, era que iria aparecer num lugar e as pessoas vão [suspiro exasperado], “Oh, Deus. optimo! “Há todas essas pessoas e é uma loucura.Fica-se como a nuvem –  está no Festival de Sundance e o seu cheiro. Você não é mais indie, sabe? Traz para aqui os paparazzi. Eu sou como, “Eu cresci aqui, porra! Que diabo! “[Risos.]

Talvez esta seja uma coisa estranha de se dizer dado o quanto dinheiro e quanto adulação saiu da série “Crepúsculo”, mas eu me pergunto se sente a dificuldade do desafio de atuar passou subestimado pelos críticos e não-fãs . Quero dizer, eles não são os meus filmes favoritos, nem nada, mas eles estão muito melhor do que os livros! O elenco, em geral, faz-se um bom trabalho, e o seu personagem sente-se muito bem pensada e precisamente trabalhada. Sente como as pessoas não percebem isso?

Eu não sei. Eu sinto que as pessoas pensam que sou eu! [Risos.] É muito engraçado. Eu digo isso a toda a hora, e eu não quero me contradizer: eu me sinto muito perto de todas as personagens que eu faço. Eu não sou o tipo de pessoa que se esconde atrás de um papel. Eu não sou uma atriz de personagem. A razão que eu sou sempre capaz de fazer o trabalho é, como, se lê um pouco de material que revela a si mesmo. Pode ser chocante e surpreendente, e há elementos que são um pouco mais do que aquilo que está enterrado parece ser evidente. Mas, ao mesmo tempo, é loucura as pessoas pensarem que eu estava vicariamente ter esta experiência, só mergulhada na terra de  “Crepúsculo”

Mas então, muitos de seus fãs pensam, também, estou certo?

Ah, com certeza! As pessoas pensam que sou eu, que é quem eu sou, que eu sou Bella. É uma loucura. Porque eu sou – muito diferente, em muitos aspectos. Ainda no outro dia, alguém me perguntou numa entrevista: “Então, não te incomoda que não seja definitivamente a favorita dos críticos? Você não se sente como se quer alguma validação ou reconhecimento, com uma palmadinha nas costas? “E, quero dizer, oh meu Deus. Não é assim a questão. É uma espécie da mesma resposta que eu tinha de ser estereotipada. Se eu de repente começasse a bater paredes, se eu senti que não estava a ser mais desafiada, se eu me sentia estagnada, isso seria outra coisa.

Mas eu sinto que eu tenho tido muita sorte de me manter em movimento. Assim que  começar a fazer as coisas por essa razão, é tão louco. Além disso, depois de falar com as pessoas que realmente querem falar sobre seus filmes e são realmente para elas. Então, apenas não se sente como sua percepção geral, que era muito bonita, que eu sou a menina de  “Crepúsculo” que todos têm opinião.

Leu Kerouac “On the Road” antes de aceitar este papel? [Ela acena que sim.] Porque é tanta história de rapazes.

É um livro de rapazes.

Quer dizer, as raparigas estão lá para o sexo, com certeza. [Risos.] Mas ele não está muito preocupado com a sua individualidade, os seus pensamentos interiores, as suas jornadas pessoais. E de alguma forma, encontra-se uma pessoa real lá, uma pessoa muito física, mas uma pessoa que parece viva e presente e pelo menos um pouco no comando da sua vida.

Não é a sua história, e eu estava com medo de fazer definitivamente uma caricatura, alguém que estava servindo como ambiente, dando o tom para as cenas de festas loucas e selvagens. Ler o livro, existem todos esses pequenos detalhes que fazem Marylou parecer apenas um pouco curiosa. Quer saber sobre ela, com certeza, mas não sabe onde ela está emocionalmente ou pessoalmente. Para fazer o papel, colocou-se num plano completamente diferente, logo que chegamos a conhecer as pessoas que esses personagens foram baseados.

No seu caso, fala de Luanne Henderson, que se tornou Marylou no livro.

Sim. A realidade da situação é definitivamente não está na tela, mas eu acho que é sentida, e mais do que no livro. Eu não sei – para quem pode ler o livro e ache que as mulheres são usadas, que  são usadas ​​e abusadas ​​e retiradas de uma forma que deixa um vazio – você não podia fazer isso com essa moça. Como, isso era impossível. Ela era a parceira mais formidável para eles, era como um empurrão. Eles se conheceram até o final das suas vidas, não conseguiam parar de andar de volta para ela.

Conhecendo algumas dessas coisas e ouvimos a maneira como ela recordou a sua vida – era tão pessoal a ela, e ela estava tão inconsciente do movimento que ela fazia parte. Foi realmente raro encontrar um personagem que era tão jovem, e uma menina desse tempo – para não parecer super-óbvia sobre isso – que estava tão proativa vivendo a sua vida. Ela não foi prejudicada pelo medo que vem com ser um adolescente e não sabe onde vai. Ela tinha esta confiança em si mesma e era tão auto-consciente e inconsciente. Ela não tinha nem um pouco de vaidade, sobre o que era, especialmente para uma menina bonita – ela não tinha ideia  Estava, literalmente, mais na empatia, como uma pessoa, generosa demais.

Sabe, quando se lê o livro,  pode ter a sensação que ele anda em volta destas pessoas. O quanto s amava e quão notáveis eram. É ótimo. Mas quando ouvimos estas fitas, era tão estranho. Temos cinco minutos para ouvir esta mulher falar, e nós estávamos rindo, estávamos vertiginosos sobre ela. Ela é incrível! Nós ficamos apaixonados por ela instantaneamente, e ela não disse mais do que algumas frases. Isso é o que Kerouac estava a falar, ele não estava a brincar. Ele estava certo! Isso foi o que o tornou muito divertido.

 Fonte VIA: fiercebitchstew

7 de Setembro de 2012

KRISTEN NO TIFF PREMIERE DE ON THE ROAD PARTE 2

por Maria Mel

23 de Setembro de 2011

INFORMAÇÃO SOBRE O TRAILER DE “ON THE ROAD” EXIBIDO ONTEM NA FRANÇA

por Maria Mel

Trailer  de ON THE ROAD de KEROUAC POR Walter Salles # mk2




PanicCinema laurentcoet Bom dia, tiveram a ocasião de ver o  trailer de On the Road no Congresso? Quais as vossas  impressões?:) Obrigado.

PanicCinema Panic! Filmes
–  Essa é a adaptação de Kerouac? Eu não sei o que pensar, mas isso me fez realmente querer, finalmente, ler o livro.
–  Mas é adaptação muito própria de um clássico.Sentimos uma certa energia do presente.
–  Eu não tenho uma memória precisa, eu diria 2min30 . É uma montagem bastante rítmica que revela muitas fotos do filme.
– fotos Acima:. voz, provavelmente a personagem principal, que partilha a sua visão do mundo
– me parece ter visto principalmente os Actores as meninas não. Muito pouco de Kristen Stewart.
– Eu posso estar errado. Após 8 horas de ver trailers  sem parar, o cérebro começa a fundir 😉
6 de Abril de 2011

ACTUALIZAÇÃO DE ON THE ROAD – SAM E GARRETT FALAM DA CENA DO BORDEL

por Maria Mel

 

Este é sem dúvida a cena bordel mexicano de On the Road. É preciso fechar o local até o final do livro, logo após a cena de Jack e Neal  com os gatos do México, Victor e seus irmãos,não falam uns aos outros a mesma linguagem, mas apenas se divertem apenas todos ao sol . Sam Riley e Garrett Hedlund contaram-nos sobre as filmagens dessa cena  em Dezembro, quando estávamos todos sentados no Vesúvio, em San Francisco.

Garrett disse: “Walter basicamente organizou para nós  essa grande festa espontânea quando estávamos filmando no México. A maioria  foi improvisado. Ele só trouxe a música e as actrizes que estavam a fazer de meninas que trabalham no bordel, e ele disse-nos para  todos a bebermos e dançarmos e como se estivéssemos festejando em um bordel! ”

“Bem, isso parece muito bem”, eu ri.

“Não foi!” Sam Riley disse. “Foi muito difícil para mim, companheiro. Eu  casei há um ano (com a atriz alemã e seu co-estrela de Controle Alexandra Maria Lara) e minha esposa é uma actriz e não tínhamos visto um ao outro porque ela estava gravando um filme, também. E então, Walter vai e põe-me numa sala cheia de todas essas garotas a tirar todas as suas roupas! Muito obrigado Walter! ”

“E Jerry,” Garrett continuou, “a grande parte é que eu tenho que realmente ser o Neal durante a cena. Lembre-se de todos aqueles DVDs  de Neal Cassady que  me deu quando nos conhecemos?”

“Yeah. Você estava fazendo sua pesquisa … isso foi quando? 2007? Você comprou tudo o que tínhamos do Neal Cassady. Você foi do primeiro elenco.”

“Certo. Você  disse que o filme mostra como Neal mudou e eu tinha que vê-los. Bom, eles definitivamente vieram a calhar para esta cena. Walter disse apenas para me deixar ir com a musica e eu comecei a lembrar todas aquelas imagens de  Neal a dançar. Sabe, aqueles distintos movimentos de dança jerky  do Neal  ele parecia que tinha o chicote em torno de seu tronco? Então eu comecei a fazer isso e depois eu entrava em transe, mesmo dançando com uma cadeira como Neal fez e simplesmente deitar tudo para fora. Filmamos um monte de cenas quem sabe o que vai acabar no corte final, mas os DVDs deram-me tudo que eu precisava para aquela cena. “

fonte via: ontheroadfilm

 


Etiquetas:
8 de Fevereiro de 2011

BIOGRAFO: Kerouac Gostaria Muito de Kristen Stewart, Garrett Hedlund em ‘On the Road’

por Maria Mel

Não olhe agora, mas a seminal obra de Jack Kerouac romancista Beat ‘On the Road “está prestes a receber o tratamento de mudança.

A adaptação do filme  baseia-se num molde fresco, incluindo: a “estrela de Tron Legacy Garrett Hedlund, o novato Sam Riley e Bella Swan , Kristen Stewart , um trio a chamar os de fãs de Twilight. A primeira produção ainda do aguardado filme quente que  foi lançado recentemente e que tem fãs de Kerouac que todos falam. Enquanto alguns têm questionado as escolhas do elenco outros pensam que o diretor Walter Salles foi um encaixe perfeito em escolher Stewart, Hedlund e Riley para fazerem os icônicos personagens de Kerouac. “Bem, a ironia de tudo isso é que Marylou [Stewart] papel  que tem 17 em ‘On the Road”,  Kristen Stewart, parece ter essa idade “, disse Dennis McNally, Grateful historiador e autor de ‘Desolation Angel “, a biografia definitiva de Kerouac. “Eu conheci Salles, o cineasta . Ele estava programando com muita antecedência – a investigação. E enquanto ‘On the Road” como um projeto cinematográfico sempre parecia amaldiçoado para o [“padrinho” do diretor Francis Ford Coppola), que foi tentando fazê-lo desde década de 1970 – Desejo-lhe sorte “.

A primeira vista, parece certamente um ajuste pobre Riley  como o alter ego de Kerouac e, o aparentemente inofensivo, de olhos azuis Hedlund, como Kerouac descreve Neal Cassady, rapido e grande tagarela carismático. Felizmente, “On the Road” é também apoiado pelo talento de veteranos como Viggo Mortensen, Terrence Howard, Amy Adams , Steve Buscemi e Elisabeth Moss. E depois há Kirsten Dunst .

McNally:  é certo que o escritor Beat aprovaria. “Kerouac queria ver seu filme feito”, disse ele. “Ele estava esperando por Brando na época. Mas eu desconfio que ele ficaria muito satisfeito.”  O projecto de Salles,  foi filmado a volta do mundo, do Arizona, Califórnia e Louisiana para a Argentina, Canadá e México, ainda tem que conseguir um distribuidor nos EUA, mas é esperado  ser lançado ainda este ano. O filme ficou preso no inferno da pré-produção durante décadas. Coppola comprou os direitos do filme na década de 1970, e Brad Pitt e Colin Farrell foram ambos escolhidos para papéis de liderança, em diferentes pontos do livro é a viagem que passa para o cinema. Marlon Brando foi uma vez escalado para ser Dean Moriarty oposto ao próprio Kerouac como Sal Paradise.

Em 1957 uma carta de Kerouac a Brando, foi descoberta enquanto “filme de Salles estava em produção, onde Kerouac lhe  atribuía o papel :

“Estou rezando para que você compre” On the Road “e faça um filme . Não se preocupe com a estrutura, eu sei  o que fazer para comprimir e re-organizar o enredo um pouco para dar um filme perfeitamente aceitável com o tipo estrutura: transformando-a numa viagem com tudo incluído, em vez das várias viagens de costa a costa, no livro, uma ida e volta  a Nova York a Denver a Frisco , México a Nova Orleans para Nova York mais uma vez eu vou fazer as fotos mais bonitas. poderia ser feita com a câmera no banco da frente do carro mostrando o caminho (dia e noite) gravando no pára-brisa, como o Sal e Dean . ” Kerouac disse a Brando : “Eu queria que fizesse o papel porque Dean (como você sabe) não é estúpido, mas sim um verdadeiro inteligente  irlandês. Você faz Dean e eu vou fazer Sal (Warner Bros falou em eu ser Sal) e eu vou mostrar como fazer. “Será uma versão cinematográfica que vai sacudir  uma nova geração, como o livro fez, fazendo ficar muitos com  os olhos arregalados na estrada procurando homens armados com garrafas e ancas dançando  jazz? É apenas uma suposição.

FONTES: popeater VIA: KstewAngel

8 de Fevereiro de 2011

Garrett Hedlund sobre “ON THE ROAD”: “Nós tivemos a liberdade de voar”.

por Maria Mel

Em entrevista a OK Magazinne, Garret Hedlund, co-star da Kristen no filme On The Road, fala como foi filmar On The Road.

Garrett Hedlund esteve Na Estrada com Kristen Stewart e voltou! Agora ele partilha alguns dos detalhes que os fãs podem ver no filme!
On the Road teve bastante pressão para retratar de forma bem feita o best-seller de Jack Kerouac nas telas, mas Garrett faz saber que eles fizeram um bom trabalho.
Garrett interpreta Dean Moriarty no filme, Kristen é sua jovem esposa “sexualmente aventureira”, Marylou e Sam Riley interpreta Sal Paradise.
“Ele cresceu nas ruas de Denver com um pai bêbado que era barbeiro que nunca consegui encontrar,”Garrett contou ao Los AngelesTimes sobre o seu personagem, que é baseado na vida real de Neal Cassady.”Ele passou um tempo nos salões de bilhar tentando faturar dinheiro, e passou a sua adolescencia num reformatório porque roubou muitos carros.”

“Os tempos são um pouco diferentes,”As estrelas mais fortes do pais dizem que os tempos mudaram desde aquela época.

O filme demorou muito a sair, mas Garret disse que as filmagens tiveram um espírito livre.
Numa cena, Garrett dirigiu um Hudson Hornet 1949 em uma nevasca na Cordilheira dos Andes usando os óculos e gritando para fora da sua janela! O Director Walter Salles, por sua vez, estava sentado no banco do passageiro na posse de uma câmera!
“A melhoria foi muito bem vinda, para fazer cenas fluidas e com ritmo,” Garrett explicou sobre as filmagens de On The Road. “Nós tivemos a liberdade de voar.”

Via via: amorrobsten

4 de Fevereiro de 2011

CONFIRMAÇÃO OFICIAL DE ON THE ROAD NA FRAÇA PARA 7 DE DEZEMBRO DE 2011

por Maria Mel
Confirmation officielle de la sortie en France + titre VF, par la boite de production d’OTR pour Kristen Stewart France.

FONTES: KSFranceCom VIA: @KstewAngel

4 de Fevereiro de 2011

Access Hollywood: Primeiras imagens de “on the Road”

por Maria Mel

Os primeiros stills de Kristen Stewart no seu próximo filme, “On The Road” saíram.
No filme, baseado no romance do lendário Beat Generation de Jack Kerouac,  Kristen interpreta Marylou o interesse amoroso de Dean Moriarty, que será interpretado por Hedlund. No livro, ela é também um interesse amoroso de Sal Paradise (Sam Riley), o personagem baseado no próprio Kerouac.
Kristen nos braços de Garrett no primeiro dos trêsstills que saíram, enquanto que na outra foto ela parece solta, dançando na sala.
No ano passado, Garrett disse à MTV News que KStew cresce no projeto.
ela é incrível, todos vão realmente começar a ver o que ela é trabalhadora, e a devoção que ela põe no  seu trabalho”, diz ele. “Ela será altamente exposta neste trabalho.”
“On the Road”, que também inclui Kirsten Dunst, Viggo Mortensen, Amy Adams, Elisabeth Moss, Steve Buscemi e Terrence Howard – será lançado no dia 10 de dezembro de 2011.

Access Hollywood.

via:  Robward & Krisella.