Robert, você está em Cannes para apresentar, mas não não um, mas dois filmes. Isso é uma coincidência?
Esta é uma boa surpresa, embora eu admita que eu realmente queria que The Rover,em particular, fosse mostrado aqui. Na verdade, perdemos todos os outros festivais, na esperança de estar aqui. Ainda apostava tudo em Cannes, porque é a mais bonita do mundo. Particularmente quanto é um filme diferente.

Como  Maps To The Stars , este é um filme construído fora do sistema de Hollywood. É um indicador da direção que quer que a sua carreira seja após a aventura de Crepúsculo?
O que me guia é o desejo de trabalhar com um diretor. Eu percebi que se eu trabalhasse com os melhores do mundo, havia chances de ser mais feliz com o resultado (sorrisos). Tenho a experiência de trabalho realmente satisfatória. Há vinte cineastas com quem eu quero trabalhar e eu apenas comecei. O próximo? Este ano com Harmony Korine e Olivier Assayas. Em seguida, James Gray, em janeiro. Nós nos conhecemos, e nos tornamos amigos. E espero para encontrar o projeto certo.

No seu lugar, muitos atores jovens tentaram conseguir um papel de super-herói, ou pelo menos um papel numa grande franquia. Você já pensou?
Eu nunca fiz o teste para este tipo de filme. E eu nem tenho certeza que eu sei como fazer um super-herói. Se eu tenho o meu lugar neste mundo (reflecte ele). Isso não significa que eu não farei um filme de grande estúdio em algum momento. Além disso, eu estou bem. Mas eu realmente me esforço para me encontrar lá, como ator.

“Na primeira montagem, alguns dos meus diálogos eram inaudíveis”

Em The Rover, faz um tipo um pouco simplório, de quem não sabemos muito, exceto que ele é o bode expiatório do seu irmão. Como  conseguiu o papel?
Na primeira leitura, eu ouvi a sua voz na minha cabeça. Isso de um tipo que fala tão baixo força o que diz  para fechar a boca. (Risos). Tanto é assim que toda a palavra que sai da sua boca é um sofrimento. Foi muito divertido embora quando vi o primeiro corte, um pouco do meu diálogo foi inaudível!

Também em Maps To The Stars , de David Cronenberg.Hollywood mostra-se  tão negro como conhece?
Eu sempre tive um bom momento em Hollywood. Na verdade, eu gosto do lado sujo enquanto eu não passar o ano inteiro, que eu não me torne uma caricatura, como vemos no filme. Permaneço um observador: Eu posso dizer-lhe que há umuitas pessoas estranhas por lá.

Cruza-se com elas?
Sempre! Na verdade, eu talvez seja assim agora …

Não me diga que  vende o seu lugar na Internet como os jovens atores do filme!
Ah, se eu pudesse … (risos) Francamente todos em Hollywood são um pouco loucos. Os atores são, em essência, se considerarmos que somos convidados a fazer a variedade de emoções humanas, às vezes no mesmo filme. Eu garanto que se luta para ser mais pessoas que um cão selvagem! (Risos)